Governo propõe parceria com empresa Huawei para inclusão digital no Maranhão

Para ajudar a resolver​ o problema da exclusão digital no Maranhão, o Governo do Estado, por meio da Secretaria de Estado de Ciência, Tecnologia e Inovação (Secti) propôs firmar parceria entre a empresa Huawei.

A proposta foi defendida pelo secretário de Ciência, Tecnologia e Informação, Bira do Pindaré, durante​ a​ visita oficial à empresa, quando​,​ ao lado do secretário Nacional de Inovação do Ministério de Ciência, Tecnologia e Inovação (MCTI), Armando Milioni, e da presidente do Conselho de Secretários de Ciência, Tecnologia e Inovação do Nordeste (Consecti), Francilene Garcia,​​ cumpria parte da Missão Técnica na China.

Segundo Bira do Pindaré, uma parceira com a Huawei seria muito importante para o desenvolvimento digital, social e econômico do estado. “É a maior empresa de base tecnológica da China e tem know how para, juntos, levarmos a inclusão digital pretendida pelo governo Flávio Dino e que os maranhenses tanto precisam”.

A empresa apresentou história, plano de desenvolvimento e portfólio de produtos. R​epresentantes da empresa r​eceberam com bastante atenção a proposta do Governo do Maranhão e garantiram que estarão no estado, em outubro, para apresentar uma proposta inicial pela erradicação da exclusão digital.

​Nesta quarta-feira (23), a​ convite da Associação Nacional de Entidades Promotoras de Empreendimentos Inovadores (Anprotec)​,​ Bira​ do Pindaré​ participou, em Pequim, da 32º Conferência Mundial de parques tecnológicos e inovação.​ Eles fizeram visita prévia a um parque na última segunda-feira (21), onde compartilharam diversas experiências exitosas.  

Missão Técnica

A Missão Técnica 2015/2 é promovida pela Anprotec, em parceria com o Serviço Brasileiro de Apoio ​a​s Micro e Pequenas Empresas (Sebrae) e o Conselho Nacional de Secretários Estaduais para Assuntos de Ciência, Tecnologia e Inovação (Consecti).

A China, principal parceiro comercial do Brasil, possui canais abertos de relacionamento com os chineses em caráter comercial, como no caso dos ciclos do ferro e da soja. Com o país, também há possibilidades de realização de acordo de cooperação​ na área tecnológica​.​ Para ampliar as possibilidades de investimentos no Estado, de acordo com as diretrizes das relações internacionais apontadas pelo Governo Federal, o Maranhão busca novas alternativas​ para o desenvolvimento tecnológico e especializado.




Últimas