Governo intensifica ações para realização de mamografias no Estado

Por meio de uma oficina de trabalho realizada, nesta quarta-feira (4), com coordenadores das Comissões Intergestoras Regionais de Saúde (CIRs) e representantes dos municípios que possuem o serviço de mamografia no Estado, o governo do Maranhão pretende reorganizar o atendimento às mulheres maranhenses que precisam do exame de imagem para avaliação das mamas, feita com um aparelho de raio-X chamado mamógrafo.

A mamografia pode identificar lesões benignas e cânceres, que geralmente se apresentam como nódulos ou calcificações. Esse exame é usado para detecção precoce do câncer de mama antes mesmo de ser identificado clinicamente por meio da palpação (autoexame).

Na oficina organizada pela Secretaria de Estado de Saúde (SES), por meio do Departamento de Atenção à Saúde da Mulher (DASM) e Controle e Avaliação, foi discutida as ações para otimizar o uso dos aparelhos disponíveis nos 50 municípios que possuem o serviço, de modo que seja utilizada a sua capacidade total, bem como identificar nos municípios os mamógrafos que não estão funcionando e quais as dificuldades enfrentadas.

A coordenadora do DASM, Emanuela Brasileiro de Medeiros, explica que a discussão também faz parte de uma linha de cuidado da Rede de Atenção às Pessoas com Doenças Crônicas, e que por meio da reunião é possível fazer a avaliação da produção dos exames e, com isso, elaborar um relatório para responder, por exemplo, porque um mamógrafo com capacidade para realizar 5.500 exames por ano realizou 100 exames no período de janeiro a agosto deste ano. “O problema não está nos mamógrafos, embora alguns estejam produzindo pouco. Por isso, precisamos entender os motivos do equipamento não está sendo utilizado em sua máxima capacidade, e onde está debilitada a articulação para o funcionamento”, garante Emanuela Brasileiro.

De acordo com os dados levantados pela SES, atualmente, apenas a regional de Viana não possui o serviço de mamografia. As outras 18 regionais possuem mamógrafos funcionando em municípios estratégicos.

No primeiro momento os coordenadores e representantes municipais responderam um questionário elaborado pelo Controle e Avaliação da SES para possibilitar a identificação das problemáticas e discutir em grupo os pontos abordados. O programa de qualidade de como esses exames são realizados é monitorado pela Vigilância Sanitária, que esteve em pauta no período da tarde.

O relatório elaborado ao término da oficina será apresentado em nova reunião com a SES, Conselho dos Secretários Municipais de Saúde (Cosems), e coordenadores das CIRs para o lançamento da proposta de sanar as dificuldades apresentadas. “Cada localidade possui um fator relevante, o que demanda diferentes soluções que precisam ser pensada em conjunto. Há casos que podem ser processo de trabalho, financiamento do serviço, falta de recursos humanos, enfim, a proposta de solução será baseada de maneira individual”, completa a coordenadora do DASM.

A secretária municipal de Presidente Dutra, Liliana Raposo, considera a reunião um ponto importante para o aperfeiçoamento dos serviços públicos de saúde. “Através desses levantamentos estamos conseguindo fechar o diagnóstico de como estão às previsões da realização eficaz dos exames de mamografia no Estado. Em nossa cidade, a previsão é que em 60 dias o mamógrafo esteja funcionando, o que trará benefícios para centenas de mulheres”, disse a secretária municipal.

Mamógrafos no Maranhão


Segundo dados do DataSUS do Ministério da Saúde (MS), o Maranhão possui 50 mamógrafos no âmbito do Sistema Único de Saúde (SUS) disponibilizados em 29 municípios, sendo: Açailândia (1); Bacabal (3); Balsas (1); Caxias (2); Chapadinha (1); Codó (1); Coroatá (1); Coelho Neto (2); Colinas (1); Grajaú (2); Imperatriz (9); Itapecuru Mirim (1); Miranda do Norte (1); Pinheiro (1); Pedreiras (2); Lima Campos (1); Porto Franco (1); Presidente Dutra (1); Tuntum (2); Rosário (1); Santa Rita (1); Santa Inês (1); São Luís (9); Paço do Lumiar (1); São Mateus do Maranhão (1); Timon (1); Vitória do Mearim (1); Governador Nunes Freire (1); e Zé Doca (1).

O esforço do Governo do Estado é utilizar a capacidade máxima dos 16 que estão funcionando e colocar todos os 50 em pleno funcionamento. “O que essa gestão pretende, por meio da SES, é trabalhar para aumentar o acesso dessas mulheres à mamografia. Não podemos ter um equipamento em cada município, porém, onde eles estão é possível garantir o acesso somando ações do Estado, com os secretários municipais e a atenção básica de cada um desses lugares”, ressalta a coordenadora do Departamento de Atenção a Saúde da Mulher.