Segundo a NASA, as queimadas na Amazônia estão abaixo da média dos últimos 15 anos



A Agência Espacial dos Estados Unidos (Nasa) divulgou uma foto que mostra a concentração de queimadas nos estados de Rondônia e Amazonas, na Região Norte do país.

Na imagem, a maior floresta tropical do mundo é consumida pelas chamas. Os dados detalham que os incêndios se concentram em locais onde a mata foi devastada para a criação de pastos.

Segundo a Nasa, embora “a atividade tenha sido acima da média no Amazonas e, em menor escala, em Rondônia, ela tem sido abaixo da média em Mato Grosso e Pará.”
E reforça dizendo que “a partir de 16 de agosto de 2019, observações por satélite indicaram que a atividade total de incêndio na bacia amazônica estava ligeiramente abaixo da média em comparação com os últimos 15 anos.”

Confira a nota na íntegra:



“O espectrorradiômetro de resolução moderada (MODIS) do satélite Aqua da NASA registrou imagens de vários incêndios ocorridos nos estados de Rondônia, Amazonas, Pará e Mato Grosso em 11 de agosto e 13 de agosto de 2019.

Na região amazônica, os incêndios são raros na maior parte do ano porque o clima úmido impede que eles comecem e se espalhem. No entanto, em julho e agosto, a atividade normalmente aumenta devido à chegada da estação seca.

Muitas pessoas usam o fogo para manter terras cultiváveis ​​e pastagens ou para limpar a terra para outros fins. Normalmente, o pico de atividade no início de setembro e principalmente até o mês de novembro.

A partir de 16 de agosto de 2019, observações por satélite indicaram que a atividade total de incêndio na bacia amazônica estava ligeiramente abaixo da média em comparação com os últimos 15 anos.

Embora a atividade tenha sido acima da média no Amazonas e, em menor escala, em Rondônia, ela tem sido abaixo da média em Mato Grosso e Pará, de acordo com o Banco Mundial de Emissões de Incêndio.”

Com informações, Nasa

https://earthobservatory.nasa.gov/images/145464/fires-in-brazil

Share this:

,

Faça um Comentário

0 comentários:

Postar um comentário