Vaticano perdoa pecados de pacientes com coronavírus



O Vaticano determinou que os pecados dos fiéis infectados por coronavírus podem ser perdoados. A decisão foi anunciada por meio de um decreto da Penitenciária Apostólica (tribunal católico que regulamenta as questões de foro íntimo e as indulgências). O benefício também se estende a quem cuidar dos doentes.

De acordo o Vatican News, órgão oficial da Igreja Católica, o decreto oferece "a possibilidade de obter a indulgência plenária para os fiéis enfermos com coronavírus, bem como para os profissionais de saúde, familiares e todos aqueles que, a qualquer título, cuidam deles, até mesmo com a oração". Além disso, o documento prevê a "absolvição coletiva" (para vários fiéis juntos) sem prévia confissão individual. A medida vale sobretudo nos lugares mais afetados pelo contágio pandêmico, até que a situação termine.

O decreto determina que os doentes de coronavírus, quem está em quarentena, os profissionais de saúde e familiares que se expõem ao risco de contágio para ajudar quem foi afetado pelo COVID-19 poderão simplesmente recitar o Credo, o Pai-Nosso e uma oração a Maria para obter a indulgência plenária. "Os outros poderão escolher entre várias opções: visitar o Santíssimo Sacramento ou a adoração eucarística ou ler as Sagradas Escrituras por pelo menos meia hora, ou rezar o Terço, a Via-Sacra ou o Terço da Divina Misericórdia, pedindo a Deus a cessação da epidemia, o alívio para os doentes e a salvação eterna daqueles a quem o Senhor chamou a si", diz o Vatican News.

Em todo o mundo, cerimônias religiosas católicas foram suspensas devido à pandemia de COVID-19. O próprio Vaticano, que é cercado por Roma, impôs restrições ao deslocamento e ao contato entre sua equipe e seus fiéis na tentativa de conter o vírus. Para manter a distância de outras pessoas, o Papa Francisco tem celebrando missas sozinho, embora ele tenha pedido a outros sacerdotes que 'tenham a coragem' de visitar os doentes.

Fontes: Vatican News e Daily Mail