Variante Ômicron faz capitais cancelarem Réveillon e ameaça Carnaval


Pelo menos oito capitais não terão festa de Réveillon na virada de 2021 para 2022. Dessas, duas já optaram por também cancelar a folia de Carnaval em fevereiro. O avanço da variante Ômicron, de origem africana, fez prefeitos e governadores de todo o país reavaliarem a decisão de promover shows e outras aglomerações.

Embora algumas capitais tivessem confirmado a realização dos eventos depois do avanço da vacinação no Brasil e da redução de mortes e infecções, a chegada da Ômicron a todos os continentes e a análise de um possível caso em São Paulo jogaram um balde de água fria na possibilidade de liberar a comemoração com grandes grupos.

A variante, identificada pela primeira vez na África do Sul, foi classificada pela Organização Municipal de Saúde (OMS) como preocupante. Apesar disso, ainda há dúvidas sobre o seu nível de contágio e gravidade. Na segunda-feira (29/11), a OMS informou que a Ômicron representa um risco muito elevado para o planeta.

O medo de uma quarta onda da Covid-19 forçou alguns gestores a darem um passo para trás nos festejos de Ano-Novo e na folia de Carnaval. Isso porque a realização desses grandes eventos impossibilitaria a tomada de alguns cuidados indispensáveis para evitar a disseminação do vírus, como o uso da máscara e o distanciamento social.

Salvador, São Luís e João Pessoa, na segunda-feira (29/11), cancelaram os festejos de Réveillon. Belo Horizonte, Fortaleza e Goiânia já tinham anunciado que não promoveriam o tradicional evento. Palmas e Teresina também confirmaram ao Metrópoles que não farão as festas de fim de ano.